Páginas

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Apresentações de dezembro


Atenção, atenção, TERESINHA!!!

O show do dia 13 de dezembro foi cancelado!! :(

Aproveito para lembrar a todos do show do dia PRIMEIRO. Vai ser a apresentação do resultado dos trabalhos feitos no curso de Música Popular. Muito interessante pra quem quer saber o que estamos produzindo e estudando na Escola. Mais interessante ainda pra quem quer me ver, que eu acho que é a minha última apresentação desse ano.

Teatro do Irdeb, 1kg de alimento, 19h.

VÃO ME VEEEEEEEEER!!

:*

sábado, 20 de novembro de 2010

Cadillac Records



Geeeeeente, pensa num filme bom?


Esse aí mesmo, Cadillac Records. É sobre a história da Chess Records, a gravadora que lançou muitos nomes maravilhosos da música, como Muddy Waters, Little Walter, Etta James e lá se vai, uma lista fantástica. E aí fizeram esse filme, como se Willie Dixon contasse a história da Chess Records.

Claro que é cinema, então tem aqueles detalhes que só a ficção pode contar. Mas é como meus amigos quadrinistas falam: a ficção precisa ter lógica, a vida não. A vida da gente dá excelentes filmes, mas seriam roteiros tão cheios de furos, que as pessoas acabam adaptando certas coisas pra fazer sentido. Como eu já citei outro dia: qualquer canto é menor do que a vida de qualquer pessoa. E qualquer filme também.

Então eu gosto muito de ler e assistir biografias. Gosto de saber como as pessoas chegaram onde chegaram, se tornaram quem se tornaram. Tenho algumas biografias preciosas em casa, como a de Elis Regina, Leila Diniz, Tim Maia, Beatles. Caço mesmo as biografias nas livrarias, é um tema que amo. E esse filme, apesar de não falar da vida de alguém especificamente, conta partes das vidas de pessoas que admiro muito. Tem atores excelentes no elenco (à exceção de raros), tem cenas fortes e emocionantes e...pelo amor de Deus, o que dizer das canções, né? Muito boas, excelentes escolhas.

Enfim, assistam!


quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Guias


A Quanta começou a gravar. Eu já falei que detesto gravação? Detesto.

Quer dizer...eu gosto, é claro. É uma emoção, uma experiência ótima para a voz, você se ouvir "por fora", como sua voz soa para os outros. Incrível no real sentido do inacreditável mesmo. Mas...é um saco. Cansativo. Grava, volta, mil vezes a mesma coisa pra depois ter que fazer tudo de novo. É nesse sentido que eu digo que é chato. Ontem mesmo...vixe, 4h só pra gravar as "guias", que são as bases que vão ajudar cada instrumentista a gravar sua parte isoladamente.

Enfim, tem mil maneiras de gravar, mas nós vamos gravar cada instrumento isoladamente, em sua pista. Isso é bacana, que na hora de equalizar e mixar tudo fica mais fácil. Quer dizer...fica melhor.

Foi divertido, pedimos pizza, o dono do estúdio na maior perturbação, tudo isso fez ficar menos cansativo. Era pra ir até 01 da manhã, mas 0h eu já tava pedindo arrego, nem sei como cheguei em casa, de bêbada de sono que eu estava.

Ainda foi ótimo para a auto-estima, porque os meninos fizeram a maior declaração, dizendo que eu era uma cantora retada, que todos eram apaixonados por mim, etc e tal. E isso faz bem pro ego. Ainda mais se já é meia noite e você está com os cabelos pra cima e os dedos cheios de gordura, se lambrecando. Huahuahuah!



segunda-feira, 15 de novembro de 2010

:P


A fotinha que prometi, da apresentação do dia 09/11/10:

Lá no cantinho, à esquerda: Felipe Grimaldi.
As meninas: Tâmara Pessoa, Ana Paula Albuquerque (pró), Luísa Meirelles.
Cá embaixo: eu e Aiace Félix.


Deixa eu falar uma coisa muito importante agora:

O BAÊA TÁ NA PRIMEIRA DIVISÃAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAO, UHUUUUUUUUUUUUUUUUUUU!!!!!



sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Interpretação


A apresentação do dia 09 foi liiiiiiiiiiiiiinda!! Fiquei lá besta, olhando pras minhas coleguinhas e pensando: "Uau, eu sou colega dessas meninas!" Já estão quase pop mega ultra super stars! :D

Quanto a mim...fiquei nervosinha. Então não foi tão bonito quanto eu gostaria que fosse. Mas isso também foi bom. Sabem...eu estudei técnica vocal tanto tempo, que vou cantando e pensando: "vou usar esse músculo aqui, respirar assim, colocar a voz ali"... (risos) É verdade!! E acho...que já chega.

Acho que já estudei tanto, que já está na hora de parar de pensar nisso tudo. Está na hora de me concentrar em muitas outras coisas. Como a interpretação. Minhas colegas falam que são ao contrário de mim, que pensam bem mais na interpretação do que na técnica ou, algumas, que simplesmente não pensam. (risos) Não sei dizer se existe um processo "correto" de performance, de estar sobre o palco. Mas percebi isso sobre mim. Está na hora de estudar mais interpretação. Fazer só a manutenção das questões técnicas já conseguidas até agora, talvez aprimorar um ponto ou outro, mas vou me focar mais nessa outra parte.

Vocês, é claro, vão junto comigo nessa nova viagem! :)

O pessoal me elogiou bastante foi pela interpretação de Vingança, de Lupicínio Rodrigues. Posto pra vocês um videozinho da primeira cantora que cantou esta música, em 1951: Linda Batista*. (Apesar de que, o vídeo é de 1976.) Observem a interpretação que ela dá.

Beijo.



* Ela não foi a primeira cantora a cantar nem a gravar, mas a primeira na voz de quem a música realmente ficou famosa.

domingo, 7 de novembro de 2010

Aula Pública 09-11


Ah! Dia 09 - terça-feira - vai ter aula aberta de Canto Popular e eu vou cantar. Vai ser linda a apresentação, com músicas da década de 50, composições dos alunos de Composição e milhares de instrumentistas nos acompanhando. Vai ser lindo e interessante. VÃO ME VER!

A apresentação vai ser de tarde, de 15h as 17h, na Escola de Música da UFBA - Rua Araújo Pinho, s/n - Canela, GRÁTIS!

VÃO!

Beleza é fundamental?


Gosto de comentar shows. Como já tinha dito no Em Canto, pra mim são aulas. Quem dá aulas bacanas, faço questão de elogiar, citar e recomendar, mas que ensina coisas "ruins"...é melhor não falar quem é. Esse comentário de hoje...não consigo nem avaliar se é "bom" ou "ruim". De todo modo, vou preferir não citar o nome da figura.

Ontem fui no show de uma cantora. E fiquei...ahn - :O - de queixo c-a-í-d-o. Pensem numa mulher LIIIIIIIIIINDA! Era a mulher. Veja bem, não é que ela fosse assim tão linda de morrer. No público tinha moças tão ou até mais bonitas do que ela. Mas ela tinha...o que o povo chama de sex-appeal. Realmente, a garota era poderosa, ninguém podia negar.

Bronzeado bonito, cabelos lisos, dentes perfeitos, lapas de coxa, ok, tudo nos conformes e dentro dos ditames da moda. Mas não era nada disso. Nem o vestido curto. Nem o fato dele também ser tomara que caia. Nem o chapeuzinho que ela usou do meio pro fim do show. Era um encanto. Um jeito de olhar, de sorrir, de cantar, de se expressar, que me fez ficar parada as 10 primeiras músicas, pensando: "aí está uma estrela".

Puxa, mas então me vieram tantos questionamentos... O que faz uma estrela? É necessário todo esse sex appeal? A criatura precisa parecer sexy pra fazer sucesso? E o que dizer das feinhas, rechonchudinhas e das pobres mal humoradas? Não terão seu lugar ao sol? Será que é alguma coisa que ela faz de propósito? Que treina? E...isso é realmente necessário?

Há quem diga que boa cantora é aquela que não tem nada de sexy, nem na aparência, nem nos trejeitos. Há essa regra? A gente entra aí em mil questões de exploração do corpo feminino; marketing X arte; mídia, eta, é pano pra manga que não acaba mais.

Quando penso em mim não penso numa mulher exatamente sexy, mas sei que tenho meus encantos. Então...pra mim ficou valendo essa regra: achar os meus próprios encantos. Se serão sexy ou não...quem estiver assistindo que avalie.





quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Como diria Elis...


Huum...tem gente que sabe e tem gente que não sabe, mas vou confessar: EU SOU REVOLTADA. Eu sou. Tem horas que eu gosto de ser assim e tem horas que eu não gosto. Então não posso nem avaliar se isso é elogio ou qualidade. (Como a maioria das minhas características pessoais, eu acho.)

(suspiro) Eu gosto de ser revoltada quando não aceito injustiça; quando quero mudar o mundo; quando critico preconceitos, humilhações e discriminações em geral. Aí falo, argumento, me sinto a advogada do mundo, mas também ajo, proponho, instigo. Isso tudo é bom.

Mas eu não gosto quando todo mundo concorda com uma coisa e só eu discordo; quando sou grossa com as pessoas (infelizmente, algo muito mais comum do que eu gostaria); quando exponho as loucuras das pessoas em público. Às vezes eu só queria ser mais fofa, mais meiga, mais calma, mais pacata, mais calada, mais serena, mais dengosa...Mas não consigo.

Vejam bem...eu sou fofa, meiga, calma, calada, serena, dengosa, etc, etc. Mas não nesses momentos. Não quando vejo injustiça. Não quando me sinto violada em minhas dignidades. Não quando o preconceito paira no ar. Não quando sinto que desacreditam da minha palavra. Aaaaaaaargh, essas coisas me enlouquecem! Graças a Deus o ser humano inventou a palavra, e eu posso falar, xingar ou cantar, sem precisar sair dando porrada. (Porque às vezes eu acho que é isso que eu faria, em outras circunstâncias ou sociedades.)

Dentro dessa minha "revolta", merece ser comentado o sentimento do RETRÓGRADO. Em certas coisas sou muito moderninha, mas em outras...sou muito retrógrada. Eu não admito substituir livro por computador; abraço por sms; olho no olho por emoticom; beijo por wink. Não admito isso. Eu gosto de vento, céu, chuva, xingamento, aperto, bilhetinho, baba, choro e vela. Por favor, não me mandem desculpas como: "eu não fui porque você ficou de mandar o email e não mandou" ou "não te esperei porque seu celular estava na caixa" ou "legal saber de sua viagem, eu vi as fotos no orkut". PQP, confie na minha palavra! Acredite que eu quero lhe encontrar! Não me conheça através desse blog! Isso aqui não é nem um décimo de tudo que eu sou ou que podemos construir juntos.

...Sei que qualquer canto é menor do que a vida de qualquer pessoa...

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Pela minha lei...





É isso. Ganhou a esquerda. Ganhou a mulher. Ganhou a manutenção desse governo. Ganhou o Brasil? Só daqui há quatro anos pra sabermos..

A gente às vezes fala mal do povo brasileiro. Que é um povo "besta", "acomodado", "pacato". Eu penso que o povo brasileiro é apenas um povo de paz. Um povo cansado de guerra. Um povo que se formou na mistura de povos diferentes, mas também na exploração de um ser humano pelo outro, e não quer mais isso. Quer se respeitar. Quer a tranquilidade da natureza exorbitante que tem. O povo brasileiro não quer pegar em armas e fazer reformas revoltosas. O povo quer mudanças sim, mas devagar, com transformações paulatinas.

Eu compreendo. Mas me agonio. Como disse um amigo meu, eu também não quero um "capitalismo melhorado". Ok, o socialismo não deu certo. Tentemos outra coisa. Outro modelo! É possível uma transformação real da sociedade de forma lenta? De forma pacífica? Eu não conheço nenhuma. Mas se alguém conhece, por favor, me apresente!

A vitória de Dilma, pra mim, é só mais tempo da decepção que foi o PT. Ok, os índices brasileiros melhoraram. Mas, como eu disse, não eram "melhorias" que eu esperava. E sim real e imediata transformação da sociedade brasileira. 08 anos não foram suficientes. 04 anos serão? 12? (suspiro)

Defendendo a manutenção da democracia, acatemos o desejo da maioria e oremos pra que o melhor aconteça. Nada jamais será sequer parecido com os sonhos de harmonia e felicidade que tenho pro meu país, mas...se acabarmos com a fome e a miséria, como prometia Lula, já me sinto um pouco contemplada.

E o que tudo isso tem a ver com música? Ooooora! Cantar é uma postura política. Alguém duvida? Aos poucos vou mostrando como e porquê.

E pela minha lei/ a gente era obrigado a ser feliz...