Páginas

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Nota Pedal


Quem disser que eu só fico "cantando como um sabiá" na faculdade ou que eu não faço outra coisa além de parnasianamente "ouvir música" ao longo de quatro ou cinco anos seguidos, eu juro meu Deus, eu vou dar uma bifa!

Acabo de terminar mais um dos gigantescos trabalhos semanais que meus adorados professores sadicamente têm passado. Esse - como é escrito em palavras e não em partitura - levou 13 páginas. Dos "trabalhos tão simples" que minha amada professora de canto insiste em me convencer que tenho. Meu Deus!

Coloco aqui pra vocês um pedacinho dele. (Se alguém quiser as referências, pergunta que coloco aí nos comentários. Quem discordar de qualquer coisa, coloca aí também.)

Em homenagem ao meu ainda mais amado professor de harmonia, lá vai:


Pedal

Em harmonia, chama-se nota pedal  (também chamado tom pedal, ponto pedal, ponto organal ou simplesmente pedal) é um som prolongado na forma de uma nota sustentada, sobre a qual se sucedem diferentes acordes. O pedal mais comum tem lugar no registo de baixo, embora possa dar-se em outros registos vocais distintos. Habitualmente, o pedal é produzido pela nota tônica ou no quinto grau da tonalidade na qual se desenvolve, embora em algumas ocasiões se possa realizar com outros intervalos.

Um pedal tem três fases: preparação, clímax e resolução. Um pedal costuma começar com uma harmonia consonante, em que o primeiro acorde costuma conter a nota pedal; progride para harmonias menos consonantes e finaliza sobre uma harmonia totalmente consonante.

Na primeira fase deve-se estabelecer a nota que produz consonância em função da relação melodia-harmonia e que essa progressão de consonância para dissonância seja fundamental, quinta, terça, sétima e por fim as tensões. O clímax é o ponto onde a dissonância alcança grau máximo. Neste momento, a nota pedal funciona como uma nota fora do acorde, podendo ser classificada como suspensão, retardo ou nota melódica. Entretanto, a nota pedal é única em relação às notas que não pertencem ao acorde, sendo mais como uma nota adicionada do que propriamente uma “nota fora do acorde”. A fase de resolução dá-se sobre uma harmonia onde o pedal é fundamental ou quinta do respectivo acorde. A fase de preparação costuma ser mais demorada que a de resolução, embora possa haver exceções. Também pode diferir a construção destas fases.

A nota pedal tem um efeito tonal forte, “empurrando” a harmonia de volta para sua rota. Quanto a nota pedal ocorre em outra voz que não seja a do baixo, geralmente se refere a um acorde invertido.

O termo vem do órgão pela habilidade deste instrumento em sustentar uma nota indefinidamente e a tendência dessas notas de serem tocadas num teclado de pedal de órgão. Um teclado de pedal em um órgão é tocado, como o próprio nome diz, com os pés; dessa forma, um organista pode segurar a nota pedal por um enorme período enquanto ambas as mãos tocam notas em outros registros no teclado manual.



terça-feira, 17 de abril de 2012

Festivais

Assim como eu poupo vocês de falar de shows ruins, também vou lhes poupar de falar do meu próprio, que eu não gostei. Mas...fica aí o registro, porque é importante saber/lembrar que nem só de glórias vive uma super pop star. ;)

Quero divulgar aos músicos profissionais e amadores dois festivais que fiquei sabendo que abriram inscrições: o FestValda (que agora é WebFestValda, hihih) e o Festival Nacional da Canção. Dêem uma olhada aí do lado (em Festivais). --------------------------------------------------------------------->

domingo, 15 de abril de 2012

100!

E eeeeeeeeeeeeeeeis que chegamos ao CENTÉSIMO post! Uau!!! 100 coisas escritas sobre música. E o assunto rende, rende, rende, rende...

Ontem fiz um show com o Grupo Lex no Café Atelier J.C. Barreto, no São Caetano. Foi muito lindo! As pessoas tão pertinho, sentadas em banquinhos, sofá ou em pé. Muito bacana. Tiramos umas fotos depois posto aqui.

Amanhã canto com o Viola de Marujo, na Praça da Cruz Caída, no Pelourinho. Uma participação (toda) especial.

Também quero contar pra vocês que inscrevi projetos no primeiro edital de 2012 da Fundação Cultural - Calendário das Artes. É um edital simples e por isso, acho, tomei coragem de propor. Estou muito feliz porque foi a primeira vez que escrevi e inscrevi um projeto e, se rolar, vai ser muito bacana. Nunca pensei que tanto dinheiro desse pra tão pouca coisa. Ah, se as pessoas soubessem quanto custa pra executar bem um espetáculo...jamais se negariam a pagar couvert ou ingresso. Bom, vamos ficar na torcida!

E VÃO ME VEEEEEEEEER!!! :D

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Verdades

Na Escola vamos cantar Milton Nascimento e o Clube da Esquina. Passaram-se semanas e eu sem conseguir parar pra estudar as músicas. Foram músicas que EU escolhi, porque tanta dificuldade? Má vontade? Preguiça? Dificuldade? Quando o professor perguntou pra minha colega porquê ela não estava fazendo os exercícios de Harmonia, eu também me perguntei: "E você, Ellen? Por que não está estudando as músicas da aula de canto?"

Porque eu menti. Eu disse à professora que queria cantar aquelas músicas, mas...eu queria cantar outras. Mas tive medo. Não da dificuldade nem nada, mas... de olhar pra dentro de mim. De cantar aquelas letras e me deparar com coisas que eu não queria ver. De chorar. Aí aquela mesma colega lá de cima, me disse: "A dor tem que sair de alguma forma, Ellen." E eu chorei. Porque ela tem toda razão. Dá pra me esconder das pessoas, mas não dá pra me esconder da música.

E agora não páro de estudá-las.

Enquanto isso o Grupo Lex vai fazer dois shows na Fazenda Grande esse mês. O que é algo pelo menos inusitado, se você considerar que é um grupo de pop acústico. As pessoas falam que na periferia só se houve pagode e arrocha, porque as pessoas "não gostam" de "música boa". Primeiro, que é uma questão muito polêmica falar em "boa ou ruim" e, segundo, que...as pessoas gostam do que elas gostam. E foi maravilhoso ir cantar mpb lá (já fizemos um show). As pessoas cantaram junto, pediram coisas, gostaram de algumas, rejeitaram outras, e foi assim, tudo bom, eu ali oferecendo coisas, recebendo outras (pedidos, aplausos, silêncios), e...vamos tocar mais vezes. Que bom.

Esse mês então tem Milton e Clube da Esquina no Canela e Zeca Baleiro e Extreme na Fazenda Grande. Escolham suas preferências de repertório e lugar, mas VÃO ME VER! (risos) Olhem lá na sessão de Shows os endereços e detalhes.

Ah! Um material fantástico a que tive acesso, foi essa excelente revista Bequadro. Ainda não sei bem quem fez ou como, dêem uma olhada. O poema anterior tirei de lá e não páro de ler tudo. Ela ainda foi editada - espero que propositadamente - no formato de um bequadro mesmo, estou fascinada.