Páginas

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Vamos continuar!


Só tenho uma coisa a lhe dizer: 'Cuidado.' Não se deixe ofuscar pelo glamour. As pessoas vão começar a dizer como você é linda e maravilhosa. Não acredite nelas - mantenha seu senso crítico.

Essas foram as palavras de Fabiana Cozza quando eu lhe disse: "Fabiana, eu sou cantora e decidi seguir carreira solo depois que vi um vídeo seu e chorei." Fabiana Cozza, pra quem não conhece...precisa conhecer! Ela é minha cantora (viva) preferida, das cantoras do meu tempo, da minha geração, se assim posso dizer. Vejam aí o vídeo que me levou às lágrimas do primeiro ao último minuto e que mudou meu destino e minha rota musical:



Contando um pouco do meu show: eu canto essa música. É uma homenagem/agradecimento a Baden, a Vinícius (o poetinha), ao candomblé, a Ossanha, a meus orixás, mas também - é claro - a Fabiana. Então as pessoas têm perguntado como foi a estréia. Foi como todas as estréias: linda e tensa, feia e bonita, linda e nervosa, linda e ousada, desafinada e linda, tudo que se tem direito. Hoje um novo amigo artista me disse: "Não quero abrir mão das partes ruins de mim mesmo. Elas também me fizeram chegar até aqui."

Sim! É um show bonito. "Um bom começo", como me disseram outros dois amigos artistas. Sim, um começo lindo, eu diria. Mas não é lindo porque é perfeito. Deus me livre dos perfeitos! É lindo porque lá estava eu, lá estava o público, lá estava a música e todo o amor que ela nos proporciona. Estavam também o cenário, os músicos, a assessoria, a maquiagem, o figurino...é sonho de muita gente junta, pra eu falar qualquer coisa que não seja chamar de "lindo". É dedicação e doação demais, de todos os lados, pra dizer que foi alguma coisa além de "verdadeiro". 

Não posso descrever sentimentos em palavras de maneira exata. Vão lá ver.  :)

Fabiana ainda me disse: 

- Vai ser duro, mas não desista. Agora que você começou, só tem que continuar. Um dia eu vou estar lá te assistindo (eu abri os olhos e a boca, assustada, e ela nem deixou eu falar) e não ache isso impossível. Um dia eu vou estar lá.

:,)

Que fofa.

Eu só tenho que continuar, não é, minha linda? Então...vamos continuar.

Domingo tem mais!


quarta-feira, 3 de julho de 2013

Reflexões de véspera

Você tem que ajeitar os arranjos, o figurino, o cenário, a qualidade das cordas da guitarra. Tem que ajeitar a maquiagem, o sapato, a cor do cartaz e a microfonação daquele instrumento esquisito que só vai aparecer uma vez. Você tem que ajeitar muitas coisas pra fazer um show. Se ocupar com a qualidade do som, a beleza das cores e cuidar com carinho da criatividade de todas as pessoas ao seu redor. Mas tem uma coisa que talvez você tenha que cuidar mais que todas: da sua cabeça.

Fazer um show num teatro é uma delícia, mas também um risco. Sim, as pessoas foram lá te ouvir, que ótimo. Você não está concorrendo com o garçom, a gelada, a loura gostosa, o gatinho da outra mesa (obrigada, meu Deus). Que ótimo, as pessoas gostam mesmo de música, não é? Elas foram ali pra ouvir sua música, vivaaaaaa!! Mas elas também SÓ foram fazer isso. E elas querem ouvir coisa boa, e elas merecem ouvir coisa boa.

Mas são tantas coisas...Quando você está fazendo um show seu, um projeto em que você acredita, você mostra a sua VERDADE. Mostrando minhas próprias músicas, então? Nossa, quanta verdade tem naquilo. Mas...será que a sua verdade é sempre bonita? É sempre "boa"?

De certo modo, qualquer artista está um pouco preso aos padrões estéticos do seu tempo. Da sua cultura. Da escola que segue (se há). Mas ao mesmo tempo ele é livre. Ele tem que ter um mínimo de domínio de certos elementos e - eis a graça - sair misturando de um jeito inusitado. De um jeito diferente. De um jeito que só ele poderia fazer.

Mas será que é só isso mesmo que faz um artista?...

Um arranjador me disse: "Mas não se usa 9a nesse trecho de samba nenhum." Ora, mas o meu samba tem uma 9a e eu quero essa música assim. Meu diretor me disse: "Se ela fez a música assim, vai ficar assim. Essa 9a significa alguma coisa pra você?" Eu disse: "Sim, significa muito!" Ele disse: "Então vai ficar a 9a! Muda a harmonia toda, se virem, mas essa 9a vai ficar." (risos) Ele acreditou em mim. Na minha verdade. E topou sair um pouco desse padrão estético pra deixar a minha verdade ali.

E será que as pessoas vão gostar? Será que elas vão entender que eu fiz de propósito? Não vão achar que tem algo fora de lugar? Vão achar que tem algo "estranho, mas legal"? Vão achar que valeu a pena? E será que o que essa 9a significou pra mim (uma tensão, um adeus, uma tristeza, uma confusão) vai ressoar no coração das pessoas também?

Nunca saberemos.

E cada platéia, cada público, cada vez, vai ser diferente. Cada reação é uma.

Hoje a professora de canto disse: "Ninguém canta samba assim. Mas se você quer que o seu samba seja assim, cante com verdade. Não tente se adequar. Se você acredita nisso, faça com que as pessoas também acreditem." E ela cantou como seria fazer a mesma coisa que eu estava fazendo, só que com "verdade". E eu chorei. (Hum, eu sou boba mesmo. Estou escrevendo e chorando de novo.) Porque a verdade é isso, é algo que é seu e que toca o coração do outro, sem esforço.

Já é domingo! Vou estar lá, mostrando a minha verdade, as minhas verdades, minhas histórias. Não sei se vai ser bonito ou feio, se vai agradar ou desagradar as pessoas. Resolvi correr o risco. Pagar pra ver. Eu só espero, SINCERAMENTE, que a verdade de cada um possa ser convocada pra fora; que vocês possam sair de lá sentindo qualquer coisa - alegria, raiva, amor - mas que seja qualquer coisa SUA. E VERDADEIRA. Como eu sei que vou estar sentindo as "minhas coisas" ali no palco, junto com vocês.

Êa! Bora Gamboa!

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Últimos preparativos para o Gamboa

(suspiro) Muita, muita, muita correria!

A gente sabe que é assim, não é mesmo? Organiza tudo, arruma tudo, mas parece que as coisas só ficam nos seus devidos lugares realmente às vésperas. Arre! :P

E produção independente é essa coisa: você tem que se preocupar com a música, com os arranjos, com a roupa, com o cenário, com a água, com a impressão do cartaz, com a divulgação virtual, uau, uau. (risos) É muita coisa! :O

E ainda preciso tomar banho e fazer exercícios de harmonia?! As pessoas querem me matar! (risos)

Brincadeira. Então a vida está esse corre, corre, mas "tá gostoso", como diz a música. Gosto de ver as coisas andando, sendo produzidas. Estou imensa, absurda e estupefatamente feliz de ver tanta gente junta e linda colaborando com esse projeto. Acreditando nisso para além de gostarem de mim. Como algo que é bacana de fato. Em suma, estou muito feliz de ver tanta gente trabalhando feliz, se divertindo junto comigo, mesmo nessa agonia, nesse corre corre. Quando a gente faz aqueles agradecimentos no fim do show, meu Deus, como aquilo é poooooooouco pra expressar a alegria de estar trabalhando com certas pessoas. Como é pouco pra falar da dedicação e doação delas. Tenho apresentado cada uma delas lá na página do Face, pra vocês verem quantos rostos esse projeto tem. Quantas vidas, quantos sonhos, quantos corações juntos pra fazer um evento bonito. Brega, mas verdadeiro: de coração pra coração.

O meu, é claro, anda A MIL! Espero ouvir o de vocês em muito breve, daqui a cerca de 10 dias, batendo acelerado comigo nos primeiros acordes do show.

Gosto muito desta foto do Sertanília (falei deles no último post). Eles estão neste momento na Alemanha e eu estou orgulhosíssima!

Me utilizo dela para prestar minhas reverências à música e a todos os trabalhadores das artes.


quinta-feira, 30 de maio de 2013

Elas tem me dado orgulho esses dias

Todas elas são amigas, colegas ou apenas conhecidas do meio artístico. Mas gostaria de falar dessas lindas cantoras baianas que estão ao meu redor e das quais tenho sentido especial orgulho esses dias.

1) Cláudia Cunha - Ela é nossa pequena diva baiana. Talvez porque tenha mais estrada (?). Talvez por seu doce e agudo timbre. Talvez porque ela dance rodando de um jeito tão alegre e leve. Não sei. O caso é que ela canta com essa doçura, essa alegria. Uma afinação absolutamente impecável. Ela faz graça dela mesma e deixa os músicos constrangidos com tantos elogios, mesmo durante o show. Neste momento ela está com esse show lindo, Solar, que é uma bela homenagem a Gal Costa, as músicas todas tiradas de seu cancioneiro, mas cantadas de uma forma que você nunca viu.

Supresa: Claudinha deu uns gritos de ARREPIAR no show. Agressiva de um jeito que nunca vi. Afe, e foi tão e ainda mais lindo. :)

2) Manuela Rodrigues - Manu é nossa pop star. Ela canta, compõe, toca, dança, se articula, movimenta, desbaratina - eh, menina danada de movimentada, meu Deus!! No momento ela vai ser nossa professora de canto popular na Ufba (luxo!), mas - como todas - está aprontando um monte: Encontro de Compositores, show Uma Outra Qualquer Por Aí, aulas, ufa! Gosto muito das composições dela, porque falam do cotidiano de modo simples e bonito. Gosto do timbre médio dela, porque é lindo e dá uma sensação de conforto. Gosto do sorriso dela porque é largo e sincero.


Surpresa: Como se já não bastasse as mil e uma atividades, Manu agora está fazendo uns vídeos super bacanas com o pessoal da Mais Um Filmes. Vejam um que eu adoro, aqui.

3) Aiace Félix - Ela é a cantora do grupo Sertanília. A Bahia inteira está orgulhosa dela, porque o grupo foi indicado como Melhor Música Regional do Prêmio Brasileiro de Música. Pra vocês entenderem de que se trata, simplesmente eles foram indicados junto com Tom Zé, Gilberto Gil, Ivete Sangalo e outros "pequenos" orgulhos que temos por aqui. Uau! É coisa pra caramba! No palco ela tem uma voz doce e afinada, mas o que eu realmente gosto e admiro nela é a delicadeza e emoção com que ela interpreta as músicas. Cada vez que ela canta eu me emociono, me arrepio, fico um vulcão por dentro, mas absolutamente calada por fora, sem querer perder um segundo da canção. Um negócio absurdo e hipnotizante! Ela ainda se engaja politicamente e luta pelo que acredita com muita sinceridade. No carnaval fez um auê quando simplesmente parou de cantar no trio em que estava quando passou em frente a certo camarote, eh, confusão (adoro!).

Surpresa: Mesmo tão pequena e delicada, ela trouxe umas músicas super animadas e quebradeiras para as performances do Sertanília. Chocante a força com que ela canta também essas músicas. Ah, vocês têm que ver!

4) Tâmara Pessoa - Tâmara fez um show recentemente fno Gamboa, que me fez ficar de queixo caído. Primeiro, com a beleza de tudo. Ela é linda de ver, agradável às vistas como um belo quadro baiano. A voz dela é de um médio grave que homenageia todas as grandes sambistas, só de existir. Ela escolheu músicos primorosos, que deram ao trabalho um groove delicioso. Gosto da interpretação dela, quase teatral. Ela se usa bem da sensualidade que possui e eu gosto disso - é elegante e sedutor.

Surpresa: A menina deu uns agudos...vixe! Me arrepiei. VemNiMim voz mistaaaa!!



Quando virem show dessas danadas por aí, não percam a oportunidade. #ficaadica ;)

domingo, 12 de maio de 2013

Sarau de Itapuã

Ontem fizemos o ensaio final para o pocket show da Casa da Música. (suspiro) Pense numa coisa linda! Me arrepiei. Os meninos estão demais! :)

Também já começaram as aulas do curso técnico. Segunda começam as da faculdade. Tá tudo muito lindo, tá tudo muito bom, mas o que estou me perguntando agora é: será que eu vou aguentar? Ufa, é muito estudo e muuuuuito trabalho ao mesmo tempo. Será que dou conta?

Bom, vamos ver como o semestre se dá.

Se lembrem de amanhã. Muita gente linda vai estar lá. :)


quarta-feira, 1 de maio de 2013

Férias = correria!

(risos) Estou aqui pensando nisso, que estou de férias, mas estou trabalhando mais do que quando não estou. Que coisa engraçada (ou triste, ou feliz, nem sei avaliar). (risos)

Pra mim que não canto axé (ainda? por enquanto?), o inverno esquenta mais que o verão, geralmente. Então agora é que está o gás todo do mundo. Vamo lááááá!!

Amanhã vou negociar um espaço pra tocar; encontrar com a assessora; com a designer de jóias (ui, que chique!); ter a minha primeira aula do curso técnico de piano e ensaiar para o show do dia 13 (han, não está sabendo? Pelo amor de Deus, corre lá na página de shows, aí em cima, ó!   î )

Sexta-feira vou acompanhar um músico vindo de São Paulo e vindo do Rio de Janeiro (menino que viaja), Daniel Rolim. Além de ser um músico que eu gosto e admiro, é um amigo por quem tenho carinho e estou tãããããããão feliz que ele finalmente vem conhecer minha cidade! :)

Sábado vou tocar com os meninos da BalanSoul, fazer uma participação no Europa Bar, às 22h30. Vão lá, "balançar as cadeiras"como eles falam (risos), adoooooro! Foi um projeto que conheci recentemente (alguns dos músicos já conhecia) e estou apaixonada. É muito bom, divertido, dançante, bem feito e tudo o mais. Então vou lá balançar as minhas cadeiras também (risos) e cantar um pouquinho. ;)

E domingo devo ir ver outro espaço pra tocar, além de outro músico que adoro.

Enfim, correria danada. To cansada, mas to feliz. :)


sexta-feira, 26 de abril de 2013

Novidades e coisas lindas!

Eeeh, gente, quanta coisa linda e boa. \o/

Fiz a abertura e o fechamento de uma homenagem linda que a UFBA prestou aos seus aposentados. Foi emocionante. Claro que chorei. (risos) Fomos só eu e Victor. Teve a participação especialíssima de Tina Tude, amiga atriz. Afe. Foi demais.


Minha assessora linda, Ívea Ferreira, fez um videozinho lindo de um momento que me emocionou muito. Quando eu disse a eles que penso que as mudanças, ainda que por vezes aparentem ser apenas perda, sempre trazem novas oportunidades. E eles cantaram comigo: "Uh, que beleza!" Dêem uma olhadinha!

E ainda recebi essa notícia EMPOLGANTE hoje: fui aprovada no Programa de Qualificação em Música da Fundação Cultural do Estado da Bahia para aluna de piano. Agora vou ter nível técnico no instrumento (enquanto tiro nível superior em canto popular). Ave Maria, ninguém me segura!!!

(Agora só falta aprender a chupar cana e assobiar ao mesmo tempo. (risos)) Iuhuuuu!!!

sábado, 6 de abril de 2013

Neojibá


Quinta-feira passada fui assistir um ensaio aberto da Neojibá. (Pra quem gosta, procure saber os horários, porque rolam vários da OSBA, do Ballet do TCA, da Neojibá, enfim, de todos os corpos fixos do teatro. Programa bacana, gratuito e de boa qualidade para uma tarde.) Eles estão gravando o dvd deles (!) e 5a foi um dos últimos ensaios. Teve a participação de um violinista (que infelizmente não consegui ouvir o nome), Ricardo Castro e César Camargo Mariano, ambos pianistas. E foi lindo.

(César Camargo de chapéu Panamá; Ricardo Castro de camiseta branca, conversando com o jovem maestro de vermelho e o violinista atrás, explicando alguma coisa pro 1o violinista da Orquestra)

Teve as chatices de qualquer ensaio, é claro, volta, repete, mas...foi muito bom estar ali, mesmo nessas horas. Como o próprio César Camargo, falou: "Vocês são um barril de cachaça: cada vez melhores." (sorriso)

O projeto Neojibá é uma coisa muito bacana, de formação musical, música para os jovens, etc. Mas não é pelo argumento simplista "oh, eles podiam estar se drogando e estão aí fazendo música, que coisa linda". (risos) Iniciativas como essa já existem há 40 anos na Venezuela. E é fantástico porque a música é capaz de mudar a vida de qualquer pessoa, jovem ou velha. É capaz de mudar qualquer grupo ou sociedade. Um aluno me perguntou: "quais são as vantagens de se estudar música?", ao que eu respondi: "Vou ficar a tarde inteira aqui te respondendo." 

Posso falar de coisas cognitivas: desenvolvimento da atenção, da coordenação motora fina, das sinapses neuronais, de partes cerebrais que o raciocínio cartesiano não dá conta, etc. Posso falar de coisas mais subjetivas: disciplina, meta, foco, esforço, superação, auto-estima, contato com emoções. Posso falar de habilidades sociais: amizade, união, cooperação, compaixão (sim!), paciência, sentimento de grupo. E até de nuances sociais: espírito de coletividade, sentimento de pertença, coesão, força grupal, mudança na profissionalização e vias de poder econômico. Estudar música faz bem a qualquer um, ainda que não vá ser músico profisisonal, ainda que "já tenha passado da idade" pra isso ou aquilo (bah!).

Ver aqueles meninos, senhores, meninas, mães, gringos, produtores, holdings, trabalhadores - todos tocando e/ou assistindo música - ver os músicos e a platéia - me fez pensar no que eu acho forte e poderoso do fazer musical. A música é aquele instante. Aquele segundo que nunca mais se repete. Tocando você tem a exata dimensão disso, quando vê as notas se sucedendo uma após a outra. Se erra, não há mais como consertar. Porque a vida é assim. Não é possível fazer rascunho. Você simplesmente vive.

Ver aqueles olhinhos ansiosos, todos - dos músicos em direção às partituras; da platéia em direção a eles - me fez lembrar que uma única música é a história de muitas histórias. Do compositor, que viveu uma emoção e quis passá-la; dos músicos, que estudam a vida inteira pra viver apenas aquele momento; dos luthiers, que fabricam cada pecinha, de cada instrumento, com uma preciosidade infinita; de toda a equipe técnica que se lembra do copo d'água, do lenço, do calor, da posição do instrumento, do telefonema; da platéia que se emociona, que vibra junto, que participa de cada minuto com seus pensamentos, seus corpos, sua respiração suspensa, suas lágrimas. Derramei (discretamente) algumas lá.  Porque eu sou cantora mas o meu amor é pela música de modo geral, e eu sou capaz de amar aquilo ali como sou capaz de amar qualquer coisa que eu cante ou que veja os alunos executando. É mesmo um maravilhamento. :)

O violinista foi preciso. Minucioso. Trabalhou cada pianissimo com os meninos. Os pianistas deram seus toques tão particulares e únicos: César Camargo com um balanço delicioso, tão brasileiro, tão parte de mim. Ricardo Castro com um piano vigoroso, vibrante, intenso, sinfônico, de linguagem absolutamente pianística (se é que posso dizer assim). Emocionante mesmo. 

E lá se vão os meninos da Neojibá gravar seu dvd, dias 8, 9 e 10 de abril. Mais música sendo vibrada no mundo. Mais da única coisa que eu quero na vida: ver a música rolando por aí.

Minha versão camerística: estudando harpa na Escola. Porque eu não gosto de música "popular" ou "erudita"; "boa" ou "ruim" - eu gosto de música.

Eu com a cara gordinha (risos), ao lado de Angélica (a harpa mais linda do mundo).

domingo, 24 de março de 2013

Pradarrum

Hoje foi um dia LINDO!! Estou me sentindo uma deusa do ébano, a luz gloriosa da África. Hiahiahiahi! Brincadeira. Só porque toquei atabaque e fiz uma cuíca! :)

Rolaram umas oficinas super bacanas no Teatro Solar Boa Vista. Tivemos aula de atabaque com Gabi Guedes e de construção de cuíca, com Giba Conceição. Olhem o meu, como ficou lindo:


Eu que fiiiiiz!!! (E estou aqui com o dedo queimado. Argh!)

Depois...puxa vida, teve esse show lindíssimo de Gabi: o Pradarrum. Ele juntou toques de percussão do candomblé com uns arranjos muito lindos do filho dele, Felipe Guedes. Pegadas de jazz, salsa e até rock. Juntou excelentes músicos de tradição na música instrumental (Ldson e Marcelo Galter, Tito Oliveira, Ito Bispo) e, junto com Giba Conceição...putz, a-r-r-a-s-o-u!

Gostei que Felipe não fez esforços pra adaptar a guitarra ao instrumento principal do show, obviamente, a percussão. Ao contrário, deixou a guitarra no seu papel, executando trechos dentro da linguagem guitarrística mesmo. Isso fez a percussão se destacar e ficar ainda mais linda. Não gostei muito do trecho que ficou mais rock'n roll, porque tampou um pouco toda a percussão, mas...era um solo. Por um momento, foi bom.

Ficaram lindas as dobras do piano com a guitarra. Perfeitas. Simétricas. Muitas vezes complementares. Quando Ito dobrava com o sax...ficava assustadoramente encorpado. Harmonia segurando bem a onda, pra percussão ficar à vontade e solar. O show constou de uns 5 ou 6 temas, todos inspirados em orixás e na cultura do candomblé: Encruzilhada, Canto para Mãe Senhora, um tema inspirado em Oxalá, Guede's Groove (risos). Ana Paula Albuquerque fez uma participação tão linda e forte e cheia de sentimento. Foi lindo revê-la. Assim. :)

Fantástico usar as tradicionais claves da percussão: em 3-2 e 2-3, segurando a onda para acordes super jazzísticos e improvisatórios, como Marcelinho fez. Graças a Deus o baixo era de Ldson, porque estava muito alto na equalização, mas ele soube baixar e deixar naquele lugar agradável e audível. Ele fez um ou dois solos muito lindos, como sempre, mas gostei particularmente dos grooves que criou. Adequados, seguros, dançantes e se encaixando de um jeito tão complementar à percussão, que era quase parte dela. Tito também segurou tudo muito bem, com aqueles dois percussionistas quebrando tudo nas claves mais complicadas. Não curti muito o solo dele, somente. Achei pouco explorado, na verdade.

Falar o quê de Gabi? Hihihi, é aquela figura que todo mundo já sabe. Fala o que tem vontade, toca o que sente e como quer. Achei as composições dele muito, muito criativas mesmo. Os arranjos de Felipe fizeram tudo ficar muito mais especial, mas estava claro o que ele fez. A matriz rítmica estava toda lá. Reconheci minha Bahia no meio daquele jazz. Foi muito lindo mesmo. E ele fica à vontade nos improvisos, né? Gostei especialmente de um que ele fez nas congas, sentado. Me senti num túnel do tempo, no meio de uma senzala, com aquele Solar todo escuro.

A iluminação foi tão boa, avermelhada, principalmente, sobre o cenário, cheio de detalhes e desenhos geométricos, de estampas africanas (vejam a a foto). Muito bonito, transportável, num material meio orgânico (assim parecia. madeira?). Puxa, mas quero mesmo é falar de Giba. (sorriso) Eu fiquei BESTA com ele tocando. Uma parceria silenciosa, harmoniosa, de total apoio ali a Gabi. Uma energia forte, alegre, mesmo quando estava sério. Uns efeitos lindos, em pequenos detalhes. Uns solos groovados - diferentes dos de Gabi, mais "enlouquecidos".

Enfim, estou extasiada. Que dia lindo! Adorando toda essa movimentação no Solar também. Já não era sem tempo! :D


terça-feira, 19 de março de 2013

Amanhã e junho


Vai ser o melhor mês de junho de todos os meses de junho do mundo!!!!

7 de junho - meu aniversário
9 de junho - Esperanza Spalding no TCA
12 de junho - Pat Metheny no TCA

Uaaaaaaaaaaaau!!!!!

Vai ser o melhor dia dos namorados que as pessoas com e sem namorado já tiveram. :D

Bem, mas enquanto junho não chega...vamos me ver amanhã!!!

Participação no show do Duo Xará
Centro Cultural de Plataforma
Salvador
5 conto a inteira

:*

sábado, 16 de março de 2013

First Cicle


O primeiro dos 3 petit shows que vão rolar esse mês...foi bem mais ou menos. :/  Foi lá na Escola, como avaliação de uma disciplina. Eu já disse como eu e todo mundo fica nervoso nessas avaliações. É engraçado, um bocado de músico safo, mas só porque está tocando na Escola, rola um nervoso. Eu devia fazer um estudo psicológico do tema.

De modo geral, fomos todos mais ou menos, uns bem terríveis (como eu cantando numa música lá) e outros incrivelmente lindos (como o pianista em outra música). Enfim, uma média de "mais ou menos". Ao questionar o professor sobre o que ele ele acha que aconteceu conosco para sair "mais ou menos", ele disse que, além do incomum nervosismo, nos faltou "apuro técnico".

- Não faltou artiticidade, expressão nem criatividade. Mas senti falta de apuro técnico.

Acho que já escrevi aqui outro dia sobre um momento em que vivi o contrário. Em que várias pessoas me diziam: "Ellen, você canta lindo, mas está faltando você lá, você se expressar."

Que coisa! Argh! Você se dedica pra um lado, melhora, e o outro descamba. :S Tem que cuidar de tudo mesmo, estão vendo?

Outro professor deu a idéia de fazermos uma tabela de acompanhamento do nosso estudo. Colocar o que queremos estudar semanalmente de diversos assuntos: harmonia, instrumento, técnica, repertório, blá, blá, blá. Está sendo bem organizador fazer isso. Dá pra entender meu ritmo de estudo. E posso ver lá perfeitamente porque a expressividade melhorou e o apuro técnico caiu. Oh, meus sais!

Então vamo lá, chega de papo e vamo estudar.

Beijos.

segunda-feira, 11 de março de 2013

Shows de março

Hum...fiquei em silêncio esses dias todos preparando uma surpresa pra vocês, mas...as coisas nunca saem nas datas que eu prevejo, então fica declarado que não uso mais essa tática do silêncio. Porque tantas outras coisas bacanas vão acontecendo durante, e eu acabo não contando pra vocês, que coisa. :P

Bom, no momento o que mais se destaca é que estou em fim de semestre na faculdade. (risos) É um momento completamente insano, em que a minha vida, já de tanta correria, começa a ser de surto psico-físico (se é que isso existe). Mas também é legal ir vendo os resultados finais dos meus aprendizados.

Hoje quero só destacar pra vocês os shows que vou fazer em março. São pocket shows e participações em shows de amigos, mas...pra quem quer me ver cantar, tá valendo. ;)

1o o dessa semana, que é a apresentação final de uma disciplina chamada Música de Câmara. Vai ser lá na Escola de Música, as 15h. As músicas são bem complexas e bonitas. Nosso professor - Rowney Scott - ainda vai dar a graça de uns solos magníficos. Sem falar em todos os outros colegas, excelentes músicos: Leo Raposo, Daniel Dantas, Artur Paranhos, Janco Bystron, Priscila Santana, Camilo Bicca. Realmente imperdível, pra quem puder ir no horário!

Depois vou fazer participação no show Xará, de Eduardo Pereira e Harlei Eduardo, que é um dueto super interessante de voz, violão e percussão, que se utiliza de live act (uma música eletrônica criada na hora) e outros efeitos midi muito bacanas. No Espaço Cultural Plataforma, dia 20, as 20h.

E por fim, dia 26/3, que é uma terça-feira, as 16h, teremos o lançamento do livro da minha amiga poetisa Ânia Reis (e outros dois colegas), na Biblioteca Central da Ufba, com música, teatro, poesia, sorrisos e eu! Hihihi. Vou fazer uma participação musical nesse momento tão importante. Iupiiiii!!!

Para mais informações, olhem detalhes na página de Shows.

Apareçam! :)

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Feminária Musical


No post sobre o Hip Hop, contei pra vocês que as questões de Gênero me interessam. Falei que estou participando de um grupo de pesquisa sobre o assunto. É o Feminária Musical, em que a gente estuda feminismo, racismo, sexismo, música, produção musical, composição e o que tudo isso tem a ver com a gente. Muito bacana. Pois bem, eu estou de voluntária nesse grupo, mas os bolsistas, que já entraram a mais tempo, fizeram, junto com a professora e alguns alunos da pós, um artigo a ser publicado numa revista científica. Acompanhei a finalização desse artigo, além de algumas outras discussões e fiquei surpresa quando a professora citou a mim e a minha outra colega voluntária, no rodapé do texto. Vejam o que ela fala sobre nós:



O presente artigo discute parcialmente, indagações e resultados de um projeto

maior intitulado “Feminaria Musical ou epistemologias feministas em música no Brasil” (1) e

que vem sendo realizada pelo Feminaria Musical: grupo de pesquisa e experimentos sonoros.


(1) - [Esta é a nota:]

O mesmo foi aprovado pelo edital Permanecer/UFBA 2012 (um programa da Pró-Reitoria de
Ações Afirmativas e Assistência Estudantil da UFBA (PROAE) e conta com 3 bolsistas de iniciação científica
Permanecer, 2 mestrandas(os) em etnomusicologia, orientandas(os) da proponente e coordenadora do grupo,
1 etnomusicólogo, pesquisador colaborador e tutor da pesquisa, que são co-autoras(es) do presente artigo.
O projeto conta ainda com duas graduandas que participam como voluntárias, entrando já no decorrer do
processo. Estas têm participado ativamente dos encontros e atividades do grupo: Ellen Carvalho, cantora e
instrumentista estudante do curso de Música Popular da UFBA, e Laura Cardoso, violonista e compositora,
estudante do curso de composição da UFBA. O referido grupo integra a linha de pesquisa Gênero, Arte e Cultura
do Grupo de Pesquisa do Núcleo de Estudos Interdisciplinares da Mulher (NEIM/UFBA).

Olha que chique, fui nomeada "cantora e instrumentista", hihihi. Estou muito contente com a produção dos colegas e em ser citada no artigo como participante. O objetivo do grupo é produzir discussões teóricas e fazeres práticos. Então, quando for possível, vou divulgando pra vocês irem ver alguma coisa.

Depois coloco o link integral da revista aqui.

:*


domingo, 3 de fevereiro de 2013

Momento Retrô


Hoje estive arrumando umas coisas velhas e achei...hiahaihai, PÉROLAS! Vejam meu super celular Hyundai, "a cara da riqueza", que eu ganhei com 19 anos. Uauuuu!!!

Notaram o detalhe do "pequeno e leve" escrito na capa? Huahuaha!

Vinis, fitas cassete, fitas de vídeo. Eu colecionava clips musicais da mtv. Hoje podemos achar qualquer coisa no Youtube. Sabem como eu fazia pra ter as músicas (já que não podia comprar cd de tudo que eu queria)? Esperava passar no rádio e gravava na hora. Tinha que ficar super atenta! (risos) Vejam meu walkman, último modelo chiquérrimo da Sony, que ganhei para ouvir minhas gravações em qualquer lugar. Uau, que evolução, andar com minhas músicas preferidas pela rua! (risos)


Pra conseguir a letra correta de uma música em inglês, tinha que pedir aos colegas que faziam curso de inglês (que eventualmente distribuiam letras das trilhas internacionais de filmes e novelas famosos). Ou tirar no ouvido mesmo. Algumas eu conseguia tirar as palavras. Outras eu simplesmente tirava o som das sílabas. (Tipo: Bili Djean es no mai lover/ Xis jiast a gerl, etc) Hihihi. Achei vários cadernos com letras de músicas em inglês e em português. Aí está a anotação de País Tropical (eu nunca entendia nada que Jorge Ben cantava, hihihi) e um autógrafo que eu pedi a Daniela (Mercury) quando tinha 11 anos. Que gracinha!



E então fui me lembrando como cantar passou a ser meu primeiro instrumento musical. Eu fazia esse treinamento de ouvir a música e repeti-la um milhão de vezes. Hoje a gente quase não faz isso, não é? Temos TODAS AS MÚSICAS DO MUNDO ao nosso alcance. Quem "perde tempo" ouvindo 30 vezes uma mesma música, se pode ouvir 30 músicas de países diferentes? Quem pára pra ouvir cada respiração, cada interjeição? (Só eu e outros "dodóis".) Eu estudei piano aos 9 anos, mas achei muito "fácil e chato". No piano não dava pra tocar as músicas que eu ouvia no rádio. Só músicas "clássicas" ou "velhas". (risos) (Os professores não ensinavam o que a gente queria ou músicas famosas, coitados.) O instrumento que dava pra tocar o que eu gostava era minha voz. Só que ela não fazia as coisas exatamente do jeito que eu queria. Então fui estudar.

Achei, inclusive, uma fita de eu cantando com 8 anos. Afe! (risos) Se eu conseguir transformar em arquivo digital, tento colocar aqui qualquer dia desses. Nomeei como Euzinha. Eu dizia: "Desculpe, gente, eu estou gribada", e soltava um agudo terrível, cantando Balão Mágico. Hiahiahia, que fofinha.

Em contrapartida, ontem, na festa de Iemanjá, foi a feijoada inteira ao redor de iPhones e Macs. A trilha sonora (de Gretchen a Deep Purple) foi toda ouvida e assistida no YouTube. Vejam na foto como todos os comentários giram ao redor dos arquivos nos telefones.


E o caso é que não existe tempo "melhor" ou "pior". Cada época teve sua delícia. Que bom poder aproveitar todas elas. :)

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

AGORA


Esse é o ano de fazer as coisas que ando querendo fazer há um tempo. Agora é o momento de todas as coisas. Chega de esperar!

Então estou feliz que já tenho dois shows marcados.

Que fui convidada pra participar de um grupo experimental.

Que estão rancando meu couro na faculdade.

Uff!


quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

2013


Olá!!

 oda vez prometo que vou escrever mais e não escrevo. Talvez eu deva colocar como decisão de ano novo: atualizar sempre o bloguinho. Mas que ele tá precisando de uma repaginada, lá isso tá.

Bem, é ano novo, né? Muita energia boa rolando, muitas coisas boas por vir. :)

No momento estou com duas bandas (a minha e uma de blues) e com a graduação. É isso que ando fazendo em música. Esse ano quero voltar a dar aulas. Sinto falta de passar o que eu sei adiante. É muito bonito e energizador ver o olho das pessoas brilhando. E não vai ser nada mal ganhar uma graninha. ;)

Vou dar uma geral por aqui e estar mais presente.

Sigam-me os bons.